Honra e Gloria aos que tão novos lá deixaram a vida. Foram pela C.C. S.-Manuel Domingos Silva!C.Caç. -1558- - Antonio Almeida Fernandes- Alberto Freitas - Higino Vieira Cunha-José Vieira Martins - Manuel António Segundo Leão-C.Caç-1559-Antonio Conceição Alves (Cartaxo) -C.Caç-1560-Manuel A. Oliveira Marques- Fernando Silva Fernandes-José Paiva Simões-Carlos Alberto Silva Morais- Luis Antonio A. Ambar!~

segunda-feira, 11 de maio de 2015

LIVRO: MIANDICA "TERRA DO OUTRO MUNDO" VISTA POR UM RESIDENTE

                         
Esta crónica foi extraída do livro:  
MIANDICA "TERRA DO OUTRO MUNDO" VISTA POR UM RESIDENTE

De autoria de Manuel Pedro Dias        
     


NOTA DE ABERTURA

MIANDICA, "TERRA DO OUTRO MUNDO" trata-se de uma expressão que já é, certamente, do conhecimento de todos aqueles com quem tenho partilhado os meus trabalhos, porquanto muitas têm sido as vezes que a pronunciei, quer na escrita, quer em vídeo (Clik aqui para ver o vídeo).
Na verdade, não encontro outro termo mais apropriado, quando falo daquele destacamento, a não ser este que deu o título ao presente livro.
Não obstante o período que vivi naquele inóspito local ter sido um dos piores que passei em toda a minha existência, o certo é que, paradoxalmente, sinto-me bem quando falo de dele. Porquê? Não sei! Talvez conseguisse encontrar a resposta, que nunca me dei ao trabalho de a procurar, sentado no sofá de um consultório de qualquer conceituado psicanalista da nossa praça.
Falar de MIANDICA, a do meu tempo, claro, é sinónimo de sofrimento, não só de natureza física, mas também moral.
Para que se entenda um pouco da razão que levou algumas das grandes "cabeças pensadoras" a construir ali um destacamento, respigo algumas passagens que escrevi no meu livro "Aquartelamentos do Niassa" editado em 2009.

<< A região de MIANDICA era uma zona onde a FRELIMO se encontrava fortemente implantada, construindo ali algumas das suas bases mais importantes, nomeadamente a de MEPOTXE. Era o centro nevrálgico da subversão. Assim, os "visionários" altos comandos do Sector decidiram, para travar o ímpeto da FRELIMO, que a solução ideal seria instalar em MIANDICA o Comando do Batalhão que tivesse a seu cargo a área do LAGO.>>
<<Aquele futuro "quartel" seria, segundo palavras que nós próprios ouvimos no local ao 2º Comandante do Sector, na visita que efectuou em Abril de 1967 , "UM PUNHAL CRAVADO NO CORAÇÃO DO INIMIGO". Vai daí, foi ocupada a região da antiga povoação de MIANDICA estabelecendo-se o estacionamento, junto às margens do rio MECONDECE.>>


<<Ao cabo de 22 meses, concluíram as altas "esferas" militares que o " punhal a cravar no coração do inimigo" produziu efeitos contrários,  ou seja, atingiu aqueles que ali sobreviveram nas mais precárias condições, enterrados em buracos e com abastecimentos tardios, onde o inimigo se deleitava, a seu bel-prazer, a atacar aqueles indefesos militares encurralados entre barreiras erguidas por uma máquina de engenharia, ali colocada para construir uma pista de aviação, nunca acabada.>>(Clik Aqui para ler as crónicas de quem presenciou a morte do último soldado Português a morrer em Miandica)
<< Foi efémera a estadia das forças militares em MIANDICA, porquanto o COMSEC determinou, em 3 de Abril de 1968 (Clik aqui), a extinção deste destacamento por se saber da intenção da FRELIMO atacar, com grandes efectivos, pequenas forças das NT.>>

Refira-se, e ainda à guisa de informação, que a primeira força militar a estacionar no local, em 22 de Setembro de 1966, pertenceu à CCav. 1507, cabendo ao meu Pelotão substituí-la em Março de 1967.


30 de Abril de 1966

"ALMA MINHA MAGOADA, QUE PARTISTE!



Alma minha magoada, que partiste
Tão cedo neste dia descontente,
Ficando tu em terra, tristemente
E eu, no mar também triste.

Vejo nesse lugar onde subiste,
Teu lenço acenando insistente,
Não te esqueças do amor ardente
Que tu sempre nos meus olhos viste.

Nada tenho para oferecer-te
A não ser o amor que aí ficou
E a mágoa que levo, se perder-te.

Pede a Deus, que agora nos separou,
Que tão rápido volte a ver-te
Quão cedo ele agora me levou.

Estes versos foram adaptados de um soneto de Luís de Camões

Persistência

Que estranha magia tu tens,
Ó terra amaldiçoada
Que a todo o momento vens
Á minha memória já cansada

Em noite de pesadelo já morri
Ao som do sibilar das balas.
Quero libertar-me de ti,
Mas tu persistes, não abalas

Que obsessão é essa, tua,
Não saíres dentro de mim?
O tempo avaça, mas logo recua
O regresso ao teu inferno, sem fim.

Diz-me, diz-me, de verdade,
Passados estes muitos anos
Não será de ti grande maldade
Provocares-me tantos danos

Já vivi mais de mil mortes,
Em todas elas sobrevivi.
Peço, acordado, que não voltes
Mas vem a noite, e de novo morri.

A sempre tão dolorosa despedida
A VIAGEM

A ida para MIANDICA foi estafante, quer em termos físicos, quer psicológicos. O meu pelotão foi "despejado", pela madrugada de 14 de Março de 1967, de uma lancha de desembarque da Marinha,  na remota praia de NGOO, no LAGO NIASSA, ficando, a partir dali, entregue ao seu próprio destino. Foram dois dias de caminhada penosa até chegar ao "inferno" de MIANDICA.
No primeiro dia de marcha, dpois de percorrermos uma pequena savana, tivemos que enfrentar a subida de enormes serranias, levando por companhia a chuva incessante,

As armas e o sofrimento levados
Da oriental praia Moçambicana
Por caminhos nunca antes pisados
Passámos ainda além da Savana,
Subindo montes e serras, tão cansados
P'ra lá do limite da força humana
E em Miandica, remota, edificámos
Nova casa que tanto odiámos.(1)

 (1) Inspirado na 1ª Estância do Canto 1 dos "Lusíadas"

Nome

Teu nome é antigo, Miandica
Nos mapas e livros isso se prova.
Mas alguém achou que melhor fica
Baptizar-te de ESTREMOZ-A-NOVA


O nome de ESTREMOZ-A-NOVA foi dado pelo primeiro Grupo de Combate que se instalou em MIANDICA, a 22 de Setembro de 1966, o qual fazia parte da Companhia de Cavalaria 1507, que foi mobilizada pelo Regimento de Cavalaria 3, em ESTREMOZ.
Acontece, porém, que aquele  topónimo não vingou no seio dos militares que por lá passaram posteriormente. 
Aquele nome apenas surgia nos documentos oficiais do Batalhão de Caçadores 1891

O "Inferno"
Posto de sentinela

Miandica, "terra do outro mundo"
Onde o sofrimento foi atroz
Ficavas no Niassa profundo
Recaindo o perigo sobre nós.

Vivemos entre barreiras
Dias, semanas, meses,
Sobre ameaças matreiras
As lágrimas correram por vezes

Parece-me que foi agora,
Mas já foi ontem, talvez mais!
O dia em que fui embora
E deixei lágrimas no cais

Os dias em MINDICA eram, deveras deprimentes. O que dizer então das noites, onde não existia luz alguma, a não ser, em certas eventualidades urgentes, acenderem-se uns gastos tocos de cera, ou improvisados pavios a petróleo. As cerca de sessenta e cinco noites que ali passei podem considerar-se, todas elas, mal dormidas, pois até o estafado colchão pneumático, que me coube em sorte,  se encontrava furado. Por isso, grande parte das noites eram passadas de posto em posto de sentinela,fazendo, assim, companhia aos militares de turno.
É óbvio que tinha que dormir alguma coisa. Para o efeito, ia para o "buraco" que servia de dormitório aos homens da minha Secção. Era-me confortante dormir uma sesta sobre um "colchão" construído com sacos de batatas, vazias, claro, pregadas em toscos paus. As minhas costas agradeciam a escolha.


"Onde vais rio que eu choro" (1) (2)

Onde vais rio que eu choro,
Para Sul, ou para Norte?
Ouço tão perto de ti o coro
Quer da vida, quer da morte

Essas tuas águas "ferruginosas" 
Que regam minha seca solidão, 
Têm tanto de muito perigosas
Como de benéficas também são

(1)  Versos adaptados da canção "Onde vais Rio  que eu canto, cantado por Sérgio Borges, vocalista do Conjunto Académico João Paulo (2) A água deste rio tinha tanto ferro que, segundos depois de depositada num copo, apresentava , no fundo deste, um aspecto de ferrugem
Ida à água
A ida à água era um dos momentos mais stressantes em MIANDICA. À distância de 47 anos, aquela situação faz-me lembrar o local onde os grandes predadores, das savanas africanas, esperam as suas presas junto dos bebedouros, apanhando-as distraídas. Nós éramos as presas.


"Malhas que o Niassa tece" (1)

No plaino abandonado
Que a fria aragem arrefece 
De saudades estou trespassado,
na margens do MECONDECE

Lá longe, há a prece
Que volte cedo, e bem!
(Malhas que o Niassa tece!)
Tanto sofre, e não merece
O menino da sua mãe

(1) Adaptado ao poema de Fernando Pessoa, "O Menino de Sua Mãe"
Na imagem de cima, o local onde nos abastecíamos de água, no Rio MECONDECE que corria sensivelmente a 1 Km do acampamento

Alucinação

Sentado sobre um bidão ferrugento e disforme, que há muito deixara de exercer as funções para que fora construído, perscrutava, de olhar distante, o horizonte. Com os meus sentidos auditivos a funcionarem em pleno, apoderava-se de mim a esperança de ouvir o som produzido pelas hélices do helicóptero. Mas apenas ouvia o som do silêncio. Nem uma ave piava, pois não as havia. Nem tão- pouco o rugido de qualquer animal selvagem se fazia ouvir, dado não existirem nas imediações. Nada, apenas o angustiante barulho do silêncio.
O fumo do cigarro, expelido ao ritmo do meu pensamento, subia em espiral rumo ao céu, extinguindo-se, lentamente, na sua vagarosa marcha. Naquele exíguo espaço deambulavam quarenta "almas" que eu ignorava no momento. Encontrava-me "acompanhadamente" só.
No firmamento as nuvens transformaram-se numa cor de chumbo, impedindo-me de observar para lá das montanhas. Que ansiedade era essa que sentia nessa manhã? Não sabia explicá-la, apenas sabia que o helicóptero tardava, mas algo me confidenciava que naquela manhã ele chegaria. Em meu redor continuava a mesma mudez, que se ia tornando exasperante.
Senti uns passos aproximarem-se. Exigiam a minha presença no abrigo (buraco) que servia de posto de rádio. Corri, expectante. Seria uma mensagem a anunciar a chegada do helicóptero? Desilusão. Meras formalidades. Retornei ao meu lugar de observação, voltando de novo a alhear-me de quem me rodeava. Pelo curto caminho, alguém me interpelou, ouvindo vagamente: <<Meu Furriel, hoje não vem o helicóptero? Não vai haver correio? Respondi, gestualmente e sem olhar, com um encolher de ombros.
Uma chuva tépida começava a cair, infiltrado-se no meu corpo. Não reclamei a sua presença, sabia-me bem.
O olhar continuava fixado nas montanhas, lá longe.
Repentinamente estremeci como se o meu corpo fosse tocado por dois pólos de valores opostos. Que sensação estranha era aquela?
O tão desejado helicóptero a aterrar em Miandica. Coisa rara
Por entre as nuvens, vi surgir, na direcção do destacamento, o tão desejado helicóptero. Eu sabia que ele vinha. Breves segundos depois, o ruído das suas pás substituía o barulho do silêncio que desde manhã cedo habitava comigo.
A aeronave pousou no centro do nada, pois praticamente de nada era construído aquele inóspito lugar, apenas umas toscas "estacas de solidão" e alguns "tijolos de angústia" eram os seus materiais de construção.
Corri, desordenadamente, ao seu encontro, mantendo as devidas distâncias, pois as hélices ainda giravam.
Depois de devidamente imobilizado, abriu-se a porta contrária à do piloto e por ela saltou, para o chão, um corpo esbelto com cabelos compridos e soltos sobre os ombros, trajando calças e camisa camufladas. Procurava-me, com o olhar, por entre aquelas quarentas almas que momentaneamente se esqueceram do saco do correio. Fiquei estático, o meu corpo, ensopado pela morna chuva que ainda se fazia sentir, secou como que por magia. A "musa", vinda do "ar", quis ser ela própria a entregar-me a correspondência, ansiosamente esperada. Os nossos corpos, silenciosos e indivisíveis, somente se largaram ao chamamento do piloto.
A chuva cessou, dando lugar a um sol abrasador, cujos raios incidiam, quase na perpendicular, sobre o local.
Eu, não me encontrando já sentado no ferrugento e disforme bidão, continuava, porém, com o olhar focado no firmamento. O helicóptero nunca mais chegava.
O sol escaldante sobre a minha cabeça e os incontáveis dias de isolamento acabaram por provocar o seu efeito.

UM JARDIM À "BEIRA PERIGO" PLANTADO (1)


No "Jardim" de Miandica
Jardim de MIANDICA à beira-perigo plantado
De um só banco, com tábuas enganosas;
 De terra e mato semeado,
 Ladeado por torrentes perigosas,
Onde numa terra erguido e subjugado
 Se elevam em silêncio plantas espinhosas;
 Local inóspito de estranha magia
 Onde a solidão morava noite e dia.
  (1) Adaptado do poema de Tomás Ribeiro, "Um jardim à beira mar plantado"

"AQUELA MÁQUINA"

Certamente estarão lembrados daquela publicidade do "Homem da Regisconta", em que nos anos 70, a voz de Fernando Girão ajudou para que este anúncio entrasse no ouvido de todos os portugueses, ainda hoje se mantendo. Dizia assim: "Aqueeeela Mááááquina"
Pois é, mas o que os portugueses não sabem é que, alguns anos antes, em MIANDICA, este slogan já se fazia ouvir quando nos referíamos à máquina de engenharia que ali se encontrava, a qual tinha um desempenho multifuncional: ela era retroescavadora, cenário de fundo para fotos, iluminava o acampamento, em situações de urgência, e, em caso de ataque, servia de escudo, como aconteceu no dia 18 de Abril de 1967.
Aquela máquina
  PRESSÁGIO

 MIANDICA, 18 de Abril de 1967


O dia acordara cinzento, As nuvens povoavam densamente os "céus" de MIANDICA. Nesta manhã, cabia à minha secção a tarefa de prestar segurança à máquina de engenharia, CEngª 1531, que ali se encontrava com a incumbência de construir uma improvisada pista onde pudessem aterrar as avionetas da FA. A distância, onde a referida máquina se encontrava a laborar e o destacamento, era já de alguma forma considerável.

Aquela missão, da nossa parte, tornava-se monótona, uma vez que ali tínhamos que permanecer parados, distantes uns dos outros, de olhar e ouvidos bem atentos.
Era nestas circunstâncias que no nosso pensamento se formavam as mais diversas imagens longínquas: pais, irmãos, namorada e avós faziam parte deste filme imaginário, tantas vezes rodado.
Encontrava-me eu numa dessas "sessões" quando, repentinamente, se ouvem, não muito distante, tiros do inimigo. Senti um calafrio estranho dentro de mim. Instantaneamente ordenei para que ninguém respondesse àquele fogo, uma vez que a sua direcção era indefinida. Presumi que os mesmos teriam sido no sentido de testar a nossa reacção. Uma hora depois regressámos ao destacamento, sem que nada acontecesse.



<<Mas, no final desse dia, quando a Secção do Furriel Milhinhos regressava ao acampamento, pois coubera-lhe efectuar a segurança naquela tarde, desenrola-se um violento ataque, com tiroteio, de armas automáticas, vindo do interior da mata. (1)
(1) Respigado do artigo que escrevi para o "Jornal do Exército", em 2001, intitulado MIANDICA, "Terra do Outro Mundo"
Dada a progressão dos homens ser efectuada em campo aberto, pois avançavam na própria pista, receámos o pior. Mas, bravos homens aqueles que ripostando energicamente ao fogo do inimigo e com a ajuda dos que se encontravam no destacamento, entretanto também fustigado, conseguiu-se calar as armas inimigas. Click aqui para ver o vídeo "MIANDICA Terra do Outro Mundo"
Minutos depois entravam, para aquém-barreiras, os nossos camaradas emboscados
Foi um momento de grande tensão o que se viveu naquele inesquecível dia 18 de Abril de 1967.

    10 DIAS DEPOIS

A chegada a Miandica do tão desejado correio
Iam já decorridos cerca de três semanas que não recebíamos correio. Quando tal aconteceu, recordo-me muito bem que à minha parte me couberam 22 cartas. Comecei por ler a dos meus pais, que ordenei por datas. Logo no início davam nota do estado de saúde precário da minha avó paterna, de quem muito gostava e tinha deixado bem. A meio da leitura as melhoras não se verificavam e na penúltima carta vinha a notícia: << Lamentamos informar-te meu filho, que a avó Maria José faleceu no dia 18 de Abril, foi melhor assim, ela já estava a sofrer muito.>>

 18 de Abril do ano de 1967 é, sem dúvida, uma data que jamais esquecerei.


O "AVIÃO"

 Eenquanto eu, só, repousava

 "Aos comandos desta ilusão"
 Meu pensamento em ti buscava 
 A "arma" p`ra matar a solidão

Na imagem podem ver-se os destroços de uma avioneta da FAP, que logo no início do destacamento ali sofreu um acidente, ficando no estado em que se apresenta.

Era, juntamente com a máquina de engenharia, o cenário predilecto da rapaziada, pela sua originalidade, para se "baterem" algumas fotos.
Servia também de local para meditação. Eu que o diga.
Destroços de uma DO abandonada em Miandica

 Oh! ilusória magia!

 Como eu tanto queria 
 Tua varinha de condão,
 Para com ela tocar 
 E conseguir pôr a voar
 Este amputado avião

Voava horas sem fim,

 Até chegar ao teu jardim,
E nada mais era preciso.
Escolhia então uma rosa,
 De todas a mais formosa, 
P`ra juntar ao teu sorriso.

Foram horas sem fim aqueles que passei sentado neste monte de destroços, dando azo à minha imaginação. Os pais, irmãos e namorada "voavam" em círculo, qual aeronave, a todo o instante na minha mente. Foi, na verdade, um período de grande isolamento.


 23 de Abril de 1966

Naquele início da noite de 23 de Abril de 1967, recordei, aos camaradas de "quarto", a despedida aos meus pais, antes de embarcar para Moçambique.

A 49 anos de distância, não consegui ainda apagar aquela imagem que me acompanhou, regressou e se mantém, ainda, bem viva na memória: deixei a minha mãe desmaiada no chão e a mãe de um conterrâneo, que fazia parte da minha Companhia, agarrada a mim a chorar, ao mesmo tempo que pedia que olhasse pelo seu filho.
Perante aquele cenário, tão angustiante, pedi ao condutor do carro de aluguer que se pusesse em marcha, o quanto antes.
Estação ferroviária Vale do Peso
Uma hora decorrida, após ter-me despedido da minha mãe, foi a vez de dizer adeus ao meu pai, que me acompanhou à Estação dos Caminhos de Ferro de Vale de Peso, onde embarquei até Santa Margarida.
Foi ali que vi, pela primeira vez, duas lágrimas dissimuladas a deslizarem pelo rosto do meu pai, o qual, apesar do esforço que deveria ter feito, não conseguiu contê-las. 
As confrangedoras recordações das despedidas, efectuadas há um ano, foram a causa para que essa noite, em MIANDICA, fosse ainda mais mal dormida do que todas as anteriores.

 BALADA DA SOLIDÃO (1)


 Ouço doce, docemente,
Alguém chamar por mim.
Serás tu? Ou outra gente?
 Gente não é certamente,
 E tu não chamas assim.


Que estranha melodia    

Vou ouvindo de mansinho    
Nesta manhã triste e fria  
 De inquieta melancolia  
  Onde me sinto tão sozinho


Que voz era a que se ouvia,
 Vinda do azul cinzento do céu
 E que docemente me envolvia?
  Deixei de a ouvir já não a sentia.

 Oh!, porque me despertaste, Deus meu!


 (1) Adaptado ao poema "Balada da Neve", da autoria de Augusto Gil



Quer estes versos quer esta fotomontagem fotográfica, que representa Venus , Deusa do Amor, apesar de fantasias se tratarem, não deixam, no entanto, de se enquadrarem em "realidades vividas", em pensamento, claro, naquele "fosso" solitário. Quantas e quantas vezes o meu pensamento criava fantasias, apenas julgadas e que, de forma abrupta, eram indesejadamente interrompidas. Hoje, a quase meio século de distância, melhor entendo aquela célebre estância dos "LUSÍADAS" onde Camões se refere à Ilha dos Amores: 

 Que Vénus com prazeres inflamava,
 Milhor é experimentá-lo que julgá-lo;
  Mas julgue-o quem não pode experimentá-lo.


Analogias

Numa manhã de Inverno, mas com prenúncio de soalheira, andava eu, ainda as matinas não tinham tocado, nos " tapadões do Ameixoal", bem no coração do Alto Alentejo, fazendo companhia ao meu irmão, que deambulava por aqueles campos, de espingarda em punho, na procura da caça que não existia.
Naquelas incursões matutinas tinha sempre como hábito levar a máquina fotográfica pois, enquanto o caçador procurava o que não havia , entretinha-me a fotografar pormenores, que me iam surgindo a cada passo, dando a todos eles um título imaginário.
A "casa" que servia em Miandica de "Hospital" "Depósito
de Géneros. Ao fundo a esquelética árvore
A certo passo dessa manhã, já com o sol a brilhar sobre nós, parei junto a um secular carvalho, olhando-o demoradamente. aquela curva descendente da sua ramagem fez-me recuar 46 anos. Ao meu pensamento veio a imagem de uma árvore mirrada, que nascera nas barreiras que circundavam o destacamento de MIANDICA.
ali permaneci alguns instantes, fazendo uma retrospectiva dos meses que passei naquele lugar, interrogando se aquela árvore, que ao mesmo tempo nenhuma utilização tinha, pelo se enfezamento, mas que também já apresentava uma denunciada curva descendente, ainda lá se manteria.
Naquele momento desejava ter o dom da ubiquidade, tal como o Sol que raiava na minha frente, e confrontar estes dois lugares. Porquê? Sei lá responder!

Sob aquela árvore mirrada,
Que nem para sombra servia
 Escrevi-te tanta carta chorada
Porque ao olhar em redor não te via.

 Subalimentação

 Sem carne, pão ou café,
 Nem mesmo ração tipo E,
 Nada, nada havia p`ra comer.
Só bolacha seca se consome,                                                                                                               Assim foi aquela fome
Que jamais irei esquecer

Foi então que vi certo dia
A avioneta que fendia
O céu do destacamento,
Em rápido voo rasante
 Lançou num breve instante
 O tão desejado alimento.
A avioneta com os tão desejados alimentos
Está bem presente na minha memória aquele final de tarde, pardacento, quando a avioneta se fez à pista, em voo rasante, lançando os géneros alimentícios que nos eram destinados, ficando grande parte deles deteriorados, devido ao impacto com o solo. Na recolha do que se aproveitou, que se encontrava espalhado por uma vasta área, tivemos por companhia um sem-número de macacos, que estavam "à espreita", competindo connosco naquele acto.
Um pormenor: encontrávamo-nos praticamente há oito dias em estado de subalimentação crítica.

           Menina de olhar triste (1)

 Menina de olhar triste,
 Porquê estás a chorar ? 
 O teu soldado ainda existe
Ele um dia vai voltar.

 E não vai em caixa de pinho (2)
Porque lhe assiste a grande Fé.
Acredita que o teu soldadinho
  Vai voltar pelo seu pé.


(1) Adaptação da canção "Menina dos olhos tristes". Letra de Reinaldo Ferreira e Música de Zeca Afonso
(2) Felizmente que a caixa de pinho, a que Zeca Afonso se referia, mão foi necessária para me transportar.



   "HappY Day"

 30 de Abril de 1967

 Parabéns a todos nós
 Nesta data sofrida
 Que o tempo corra veloz
 É aprenda pretendida


Da Esquerda para a Direita: Coelho, Dias, Mendonça, Lacerda,
Milhinhos e Carvalho
O primeiro Aniversário da minha Comissão de Serviço  foi passado em MIANDICA e "festejado" com uma garrafa de Brandy, trazida pelo Eduardo Mendonça.

O "Hospital"

O Posto de "Enfermagem", sarcasticamente chamado de hospital, era um espaço exíguo, não mais que 5 metros quadrados, e tinha a dupla função de "quarto" do enfermeiro. Contudo, achávamos que era demasiadamente grande, pois as "prateleiras", ali montadas e construídas com tábuas velhas e pequenos troncos de árvores, enfermavam pela falta de primeiros socorros. Valeu-nos a perícia inventiva e o profissionalismo do Cunha, 1º cabo enfermeiro.


A "Enfermaria"
 A cara estava inchada
  E a barriga doía?
 Ó Cunha! Põe a pomada!
Que para tudo servia

Eu dela também usei,
  Em certa ocasião,
O que sofri? Bem sei!
 Devido à comichão.

 Nas pernas aconteceram,
 As tais dores esquisitas,
Tantos bichos me morderam
Malditos foram os parasitas.

Também eu, certo dia, tive de recorrer à pomada milagrosa, dado ter sido atacado nas pernas, durante certa noite, por um "batalhão" de parasitas, que recuso pronunciar o nome, tal o trauma que fiquei.
O delírio da febre alta levava-me a chamar, não pelo Cunha, mas sim pela enfermeira "que via em todo o lado"

O Cigarro

Que paradoxo bizarro.
Que servia de terapia,
Era o malefício do cigarro
Que em excesso se consumia.

E quando ele faltava? 
(Tantas vezes acontecia)
A malta até desesperava,,
Dizendo mesmo quènlouquecia


Só os fumadores que viveram naquele "degredo", qual "prisão de Alcatraz", sabem avaliar o efeito provocado pela falta  daquela droga legal, que é a necotina. Eu próprio a consumi em excesso naquele "presídio".
Para não desvirtuar das outra carências existentes, também os cigarros faltaram durante oito dias.
Recordo-me mui bem daquela situação em que os mais viciados procuravam por todos os recantos alguma "beata" abandonada. havia aqueles, os menos fumadores, que tinham, escondida, alguma reserva de tabaco. Quando esta situação foi descoberta, de nada lhes valeu defender, a todo o custo, aquela "preciosa mercadoria", pois a mesma sofreu um "ataque cerrado", tendo desaparecido num ápice.

O cigarro. Como era bom saboreá-lo
Tenho, igual modo, presente o desespero de dois camaradas meus que, com um pequeno pau,esgaravatavam nos buracos da parede, não rebocada, e que serviu de cinzeiro em tempos de fartura, na procura de alguma velha ponta de cigarro ali depositada,

Se disser que o cigarro foi, em MIANDICA, o meu grande companheiro de solidão, não fujo à verdade. Todavia, já vai para 40 anos que deixei de privar com esse "amigo" de então.

A carta que nunca escrevi

O texto que se segue estava sempre presente no meu pensamento, essencialmente em MIANDICA, quando escrevia aos meus pais. Mas, evidentemente, nunca foi enviado.

Meus queridos Pais

Após quase um ano de comissão, passado na ZAMBÉZIA, onde a situação era pacífica, não tendo eu, portanto, necessidade de vos mentir quanto ao meu modo de vida, sou transferido, de um dia para o outro, do "paraíso" para o "inferno" sem ter, assim o julgo, cometido pecados terrestres para que tal acontecesse.
Na verdade, meus pais, desde que aqui cheguei não tenho feito outra coisa, nas cartas que vos envio, que não seja mentir. Mas se Deus existe, eu acredito que sim, ELE não deveria-me castigar-me pelo simples facto de eu cometer este pecado circunstancial, que é a "mentira", já que a intenção era poupar-vos à incerteza permanente de não saberem do meu estado físico e mental, durante o tempo que medeia entre cada carta.
A partir de hoje,resolvi colocar um "ponto final na mentira" e passar a contar-vos, em pormenor o meu dia-a-dia, não vos mantendo, assim, enganados.
A situação aqui não é fácil, onde as carências de toda a ordem dificilmente são ultrapassadas.
Vós, meus queridos pais, estais sempre presentes. As minhas saudades avançam ao ritmo da solidão que se apodera de mim,e que é imensa.Eu tento dissipá-la refugiando-me em qualquer recanto isolado, se é que aqui eles existem, dando azo às recordações que trouxe comigo. Elas ajudam-me a minimizar os momentos mais difíceis aqui vividos e que são quase permanentes.
À noite quando me deito, e fugazmente adormeço, parece-me ouvir a tua voz, mãe, naquelas canções de embalar que me cantavas para adormecer. Lembrei-me também, daquele dia, era ainda criança, em que apareci na tua frente com o corpo todo serapintado de vermelho e tu logo diagnosticaste: <<É sarampo>>. Parece-me ainda hoje sentir a maviosidade das tuas mãos quando me tratavas, com tanto enlevo e carinho,
Também não esqueço o teu ralhar, porque ele era  necessário. Não há mãe alguma que não o faça perante os seus filhos.Estás lembrada daquele dia de grande canícula em que eu, inocentemente, decidi, sem tu veres, ir para a escola descalço,para igualar os muitos companheiros de turma que assim andavam por necessidade? Do que havia de me lembrar! Recordo-me, quando alguns dias depois vieste a saber, da merecida reprimenda que me deste.
Meus queridos Pais
Não olvido, de igual modo, os tempos que vivi em Moscavide  e as curtas visitas que vos fazia, em tempo de férias. As despedidas eram sempre tristes para ti, nunca gostaste de te despedir de mim,desejavas que eu estivesse sempre a teu lado. Talvez fosse por isso, aquando aí me desloquei para te dizer adeus antes da partida para o Ultramar, que resolveste "propositadamente", ficar desmaiada no chão, enquanto o táxi se punha em marcha até à Estação dos Caminhos de Ferro. É esta a última imagem gravada no álbum da minha memória, a qual me vai dar forças para tentar sobreviver nesta árdua tarefa que tenho pela frente, pois eu quero apagá-la do sentido e isso só será possível no meu regresso, quando eu, são e salvo, correr para os teus abraços e voltar a sentir o carinho dos teus maternais beijos.
Não julgues tu, meu pai, que estás fora do meu pensamento, longe disso, pois aquela lágrima que deslizou pela tua face, quando me deste o beijo de despedida, trouxe-a comigo e ela só será devolvida no dia que te abraçar fortemente. Mas, até lá, longo caminho tenho ainda a percorrer.
No momento em que estou a escrever esta carta, reparo que a meu lado se encontra um pedaço de papel, roto e amachucado, que fez parte de uma qualquer antiga revista, trazida por alguns dos militares que rendemos.
Consegui apenas ler "ESPANCA" e uns versos que fazem parte, por certo, de um poema de Florbela Espanca. Eu sei, minha mãe, que tu não fazes ideia de quem se trata, pois nunca aprendeste a ler nem escrever, mas este facto não tem importância para o caso.Além disso, o teu saber é muito mais puro e sábio do que o de muitos letrados.
Dizem aqueles versos na parte que consegui ler

Ó mães doloridas, celestiais,
Misericordiosas
Ó mães d`olhos benditos, liriais
Ó mães piedosas

Calai as vossa mágoas, vossas dores;
Longe, na crua guerra,
..................................... E não consegui ler mais nada.

Pronto, meus pais, chegou o momento de dar por terminada esta carta, a qual, com estes desabafos, conseguiu acalmar um pouco a minha "alma".
Aconteça-me o que acontecer, quero reforçar, para que fique registado até ao juízo final, o quanto vos amo e respeito.
Um grande beijo do vosso filho
Manel.


Vou-me embora, Vou partir (1)

Vou-me embora vou partir,
mas tenho a esperança
De nunca mais aqui vir,
Ansiando pela bonança
E muita vontade de dormir

É a vida d`um militar , Miandica
Que tanto padeceu neste lugar.
Adeus sofrimento que aqui fica
Que p`ra vida me irá marcar

Adeus maldita terra, vou partir
Bem de ti jamais direi a alguém
Dá o mundo muita volta, quero ir
Mas aqui, não mais virei, nota bem

(1) Adaptado do fado " Vou-me embora, vou partir"
Vou-me embora.... vou partir!!!
Finalmente, a 18 de Maio de 1967, o meu pelotão deixou este lugar que, ao longo dos anos, tenho apelidado de "Terra do Outro Mundo) Clik aqui para ver o vídeo alusivo a MIANDICA, "TERRA DO OUTRO MUNDO", tal fora a violência humana ali vivida. 

Quando parti de Miandica
Na minha memória me fica
O pelotão que nos rendeu.
Uma hora estava passada
Quando a zona foi metralhada
Mas, felizmente,ninguém morreu.

Levávamos já algum tempo de marcha quando começou a ser ouvido, não com muita nitidez, intenso tiroteio de armas automáticas e de morteiro. Facilmente nos apercebemos que se tratava dum ataque ao destacamento de MIANDICA, deixado três horas antes.
O inimigo, querendo tirar partido do factor surpresa e para baixar o moral da força que acabara de nos render, empregou nesta acção, soubemos mais tarde, grande dispositivo, quer em homens, quer em armamento.
Entretanto, a marcha prosseguia ao som do já ténue mas ainda perceptivo tiroteio, o que nos provocava uma certa angústia, dado que, sabedores das precárias condições de defesa do destacamento, desconhecíamos os efeitos provocados pelo ataque inimigo. Horas mais tarde, via rádio, fomos informados que, do lado das nossas tropas, não tinha havido feridos.

                                               FIM







Sem comentários: